Decorrido o segundo ano do atual ciclo olímpico, foi feita uma avaliação do nível competitivo dos praticantes integrados no Projeto Rio 2016 de acordo com os níveis de integração definidos nos documentos orientadores de cada uma das modalidades que constam do programa desportivo dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

Considerando que o mês de dezembro de 2014 constituiu o mês de avaliação das integrações resultantes das prestações realizadas nos Jogos Olímpicos Londres 2012, foram avaliadas as integrações a janeiro de 2015.

De acordo com período homólogo, verificamos uma ligeira diminuição do número de modalidades (-1) integradas no Projeto Rio 2016, não se encontrando refletida esta tendência no número total de praticantes apoiados (+11).

Imagem1

Quando comparadas as modalidades integradas no atual projeto olímpico, verificamos a ausência do Badminton, da Esgrima, do Remo e do Voleibol, e a integração do Futebol, das Lutas Amadoras e do Rugby, refletindo desta forma a diminuição de 18 para 17 modalidades quando comparados os dois ciclos.

No que ao aumento do número de praticantes apoiados diz respeito, nomeadamente de 109 para 120, este resulta da integração do Futebol, por via do apuramento para a Fase Final do Campeonato da Europa e consequente disputa da qualificação olímpica e a manutenção da integração das duas seleções de Rugby 7s, também por via da manutenção da disputa da Sevens World Series (masculinos) e da prestação no Campeonato da Europa (femininos).

Imagem2

Dos 109 atletas apoiados em janeiro de 2011, 57 vieram a qualificar-se para participar nos Jogos Olímpicos Londres 2012 ou seja, apenas 52% De referir ainda que 4 dos praticantes apoiados não participaram por questões de limitação de quota definida para os Jogos.

Realizada a avaliação aos Níveis de Integração, verificamos um considerável aumento no nível 3, no nível A e no Nível B (equipas coletivas) do Projeto Rio 2016.

Imagem3

O aumento do número de praticantes integrados no Nível 1 tem de ser visto no quadro da integração K4 1000m na canoagem sendo que no período homólogo de 2011 apenas 2 dos 7 praticantes competiam na mesma classe (Remo – LM2x). Assim, o número de 5 praticantes integrados por via de prestações desportivas puramente individuais mantem-se entre ciclos.

Depois de registado um aumento significativo entre o ciclo Pequim 2008 e Londres 2012, a maior diminuição em termos de praticantes integrados observa-se no Nível 2 do Projeto Rio 2016 (-15).

O aumento das integrações no Nível 3 (+10) resulta do não cumprimento de resultados que dão acesso ao Nível 2 do Projeto Rio 2016 bem como da supressão dos praticantes que integrariam o Nível 4, caso o mesmo se mantivesse entre ciclos pelo que o valor encontrado é comparativamente irrelevante.