Gustavo Lima confirmou hoje a sua presença no Rio de Janeiro ao vencer as selecções portuguesas na classe Laser Standard, que já se encontrava apurada para os Jogos Olímpicos. Lima junta-se desta forma a João Rodrigues (RS:X) e a Jorge Lima/José Costa (49er) que já tinham sido convocados para a primeira edição  dos Jogos num país de língua portuguesa.

A seleção de Gustavo Lima para ocupar a vaga conquistada em 2015 teve por base as provas de seleção, onde o velejador luso superou Rui Silveira e Eduardo Marques, que também lutavam pelo apuramento olímpico. Depois de ter sido o melhor no Campeonato da Europa no início deste mês de março, ficando em 20º lugar da geral, Gustavo Lima repetiu a façanha no Troféu Princesa Sofia, onde apesar da prova ainda não ter terminado, já não poderá ser ultrapassado pelos seus rivais, conquistando assim a vaga portuguesa na classe de Laser Standard no Rio 2016.

Esta será a quinta participação de Gustavo Lima nos Jogos Olímpicos, pelo que se tornará num dos atletas portugueses com mais presenças olímpicas, estando no 2º lugar entre os atletas ainda em atividade, a par de João Costa (Tiro) e Susana Feitor (Marcha Atlética – Atletismo), apenas superado por João Rodrigues (Vela), que irá somar a sua sétima participação olímpica no Rio de Janeiro, sendo o mais olímpico da história portuguesa no maior evento multidesportivo do mundo.

Curiosamente, este será um regresso a casa de Gustavo Lima, que nasceu há quase 39 anos (cumpre essa idade em julho próximo) precisamente na cidade que será o palco da próxima edição dos Jogos Olímpicos, mudando-se para Portugal quatro meses depois.

Demonstrando desde cedo um enorme espírito ganhador, o velejador luso iniciou-se na vela aos nove anos, pela mão do seu pai, praticante de windsurf, que o levou ao Clube Naval de Cascais, aquele que continua a ser o seu clube até hoje. Gustavo Lima conta com 4 participações em Jogos Olímpicos, tendo melhorado sempre a posição alcançada na olimpíada anterior, exceto em Londres. Sydney 2000 (6.º lugar), Atenas 2004 (5.º lugar) e Pequim 2008 (4.º lugar).

Conta no seu currículo com os títulos Europeus e Mundiais de Laser Radial, ainda na década de 90, entre outros resultados de relevo a nível internacional, que fazem dele um dos mais destacados velejadores nacionais do século XXI.

Artigos Relacionados

Vela
1.02.2014