Uma equipa composta por refugiados vai participar nos Jogos Olímpicos e desfilar sob a bandeira olímpica na Cerimónia de Abertura do Rio2016, anunciou esta quinta-feira Thomas Bach, Presidente do Comité Olímpico Internacional (COI) durante a visita a um campo de migrantes em Atenas.

A delegação será representada por “atletas de alto nível” identificados pelo COI e deverá ter entre cinco e dez pessoas. Entre a comitiva que desfilará em penúltimo lugar na cerimónia de abertura de 5 de agosto, antes da sua equipa brasileira, estão uma nadadora síria, que treina na Alemanha, um judoca da República Democrática do Congo, refugiado no Brasil, e uma atleta iraniana de taekwondo, que se encontra na Bélgica.

Para o presidente do máximo organismo olímpico, Thomas Bach, a integração de uma comitiva de refugiados envia uma mensagem de esperança e confiança aos cerca de 60 milhões de refugiados por todo o mundo. “A cerimónia de abertura será muito simbólica, particularmente para a Grécia”, sublinhou o Presidente do COI, ao concluir a visita ao centro de acolhimento de Eléonas, onde atualmente estão alojados 500 migrantes.

Thomas Bach revelou também que o percurso da tocha olímpica, que deverá ser acesa em abril, em Olimpia, vai passar pelo campo de Eléonas, no perímetro industrial de Atenas, sendo então transportada por um refugiado. “Estamos aqui para mostrar o nosso apoio àquilo que a Grécia tem feito e a nossa solidariedade com os refugiados, que tanto sofrem”, afirmou.