A ação concertada no combate às crescentes ameaças à integridade no desporto estiveram no centro do debate de dois eventos que reuniram em Portugal diversos líderes de organizações desportivas, entidades intergovernamentais e empresarias, organismos não governamentais e reputados especialistas internacionais.

A 13 de setembro no Centro de Congressos do Estoril a Assembleia-Geral da SIGA (Sport Integrity Global Alliance) reuniu 75 organizações que aprovaram os princípios básicos e universais de boa governação, integridade financeira e integridade nas apostas desportivas, após apresentação das linhas de orientação e metodologia de implementação pelos responsáveis dos respetivos comités diretores nestas três áreas.

O diretor-geral do COP, que coordena com a Universidade Paris1 – Sorbonne o comité de integridade nas apostas desportivas da SIGA, expôs os critérios gerais e princípios orientadores, bem como os requisitos específicos para as organizações desportivas, operadores de apostas, reguladores e governos nacionais que desejem integrar esta coligação independente possam adoptar mecanismos céleres, facilmente exequíveis com recursos limitados, que lhes capacitem a prevenir problemas de integridade através de instrumentos ajustados à sua dimensão e realidade especifica.

Foram também aprovados os estatutos, a estrutura orgânica, o modelo de governação, o programa de comunicação institucional e a estratégia de marca da SIGA, bem como o programa de ação para os próximos meses, onde serão colocados a consulta os documentos aprovados e intensificadas reuniões de trabalho com federações internacionais e autoridades públicas.

O coordenador da SIGA, Emanuel Macedo de Medeiros, teve ainda ocasião de anunciar a intenção do Governo da China aderir a esta coligação e apresentar os representantes das entidades entretanto aderentes desde a última Assembleia ocorrida no passado mês de junho na sede da UNESCO em Paris.

No dia anterior foi realizada uma sessão de trabalho sobre tráfico e exploração de menores no e através do desporto, presidida pela Comissão Europeia, o COP, o Instituto McCain e o ICSS Europe, com a presença do Serviço de Estrageiros e Fronteira, FIFPRO, EPFL, UNODC, Save the Dream e outras organizações com programas específicos de cooperação, prevenção, capacitação, fiscalização e combate a este fenómeno.

Também no dia 13 de setembro, dando inicio à 11.ª Conferência Europeia sobre Estudos de Jogo e Assuntos Políticos organizada pela Associação Europeia para o Estudo do Jogo, Lisboa acolheu um workshop sobre manipulação de resultados onde o COP teve ocasião de apresentar o seu programa de ação para a integridade nas apostas desportivas que encontra a levar a cabo com as federações desportivas nacionais, debatendo com a audiência alguns dos mais prementes problemas neste âmbito numa sessão prática composta pelo seguinte painel:

● Harrie Temmink, Comissão Europeia
● Evangelos Alexandrakis, Sports Secretary European Lotteries
● João Paulo de Almeida, Comité Olímpico de Portugal
● Khalid Ali, ESSA, Bélgica
● Marcelo Moriconi, Transparency International Portugal
● Pedro Varas, La Liga, Espanha
● Thierry Pujol, la Francaise des Jeux, França
● Tjeerd Veenstra, KNVB, Holanda

 

● Moderador: Philippe Vlaemminck, Pharumlegal, Bélgica

 

Reunindo em Portugal especialistas e representantes da indústria do jogo e apostas desportivas de todo o mundo num dos mais importantes eventos deste sector, o programa da conferência prossegue até ao próximo dia 16 de setembro.

Para mais informações aceda aqui ao site da SIGA.

11th European Conference on Gambling Studies and Policy Issues | Programa

Patrocinadores/Parceiros Nacionais