A Direção de Medicina do Comité Olímpico de Portugal (COP) apresentou esta quarta feira às Federações Desportivas um plano de trabalho, que se pretende conjunto, para que se torne mais eficaz a atuação no terreno com os atletas que estão no Projeto Olímpico.

O programa chama-se “The Olympic Performance” e pretende dotar todos os agentes, para além de atletas e treinadores, de ferramentas que lhes permitam obter recursos para todas as necessidades de preparação, sejam na área da medicina, como da psicologia ou da nutrição.

O diretor de Medicina Desportiva do COP, José Gomes Pereira, adiantou que “é preciso envolver também os dirigentes e as famílias dos atletas neste projeto. Temos de os capacitar com um conjunto de conhecimentos que torne melhor o rendimento do atleta”.

O plano tem como objetivo estar no terreno já a partir de outubro. Para isso é necessário perceber quais são as necessidades em cada uma das modalidades e dotar as federações de um programa que promova a difusão de conhecimento e que possibilite o mesmo tipo de apoios para todos os atletas, mesmo que adaptados às características de cada uma das modalidades.

“Uma das grandes preocupações é a de que cada ação a desenvolver seja escolhida por cada atleta em função do seu calendário competitivo. Queremos que a performance competitiva dos atletas possa melhorar com as ferramentas que também lhes podemos transmitir, mas sempre num trabalho de parceria com as federações”, acrescentou Ana Bispo Ramires, Psicóloga da Direção de Medicina Desportiva do COP.

O plano será posto em prática com ações vocacionadas para o controlo médico do treino e para o papel da Medicina Desportiva na preparação do atleta.
Durante as formações serão abordados temas como a fadiga e ‘overtraining’, a dopagem e a prevenção de lesões.

Patrocinadores/Parceiros Nacionais