A INTERPOL deu destaque no seu site à ação de formação organizada em Portugal, em conjunto com o Comitê Olímpico Internacional (COI), destinada a investigadores policiais e instrutores de órgãos disciplinares das federações desportivas, em matérias de integridade no desporto, para fortalecer os esforços na investigação e sancionamento da manipulação de competições desportivas.

O evento reuniu 40 representantes de organizações policiais e desportivas de Portugal, nos dias 4 e 5 de junho, tendo a INTERPOL e o COI contado com a colaboração da Polícia Judiciária (PJ) e do Comité Olímpico de Portugal (COP), bem como o apoio da Sportradar.

Com a entrada em vigor da Convenção sobre Manipulação de Competições do Conselho da Europa, no dia 1 de setembro deste ano, João Paulo Rebelo, secretário de Estado da Juventude e Desporto, sublinhou a importância da cooperação entre os organismos desportivos e as autoridades policiais no combate à corrupção.

Luís Neves, diretor nacional da Polícia Judiciária, sublinhou o papel das autoridades na defesa dos valores do desporto e saudou a oportunidade de sediar o evento para discutir a proteção da integridade do desporto. O curso desenvolvido na sede da PJ incluiu exercícios baseados em cenários práticos para melhorar competências.

José Manuel Constantino, presidente do COP, destacou a importância destas ações de formação para o desenvolvimento de capacidades e a aplicação da lei no combate à manipulação de competições.

José de Gracia, diretor-adjunto da INTERPOL, disse: “Um dos aspetos-chave desta formação é percebermos que a cooperação e a partilha de informações são cruciais. É por isso que as autoridades policiais, governamentais e desportivas precisam unir-se como parte de uma rede global para combater a manipulação da competições.”

Antes da formação dos investigadores, a INTERPOL e o COI organizaram, na sede do COP, uma reunião de desenvolvimento de parcerias com representantes portugueses de alto nível. As principais partes interessadas, como reguladores de apostas, funcionários do Governo, polícias, o COP e organizações desportivas reuniram-se para ajudar a desenvolver uma abordagem coordenada na proteção da integridade do desporto em Portugal e estabelecer uma plataforma nacional, em consonância com a Convenção do Conselho da Europa sobre a Manipulação de Competições Desportivas,

A INTERPOL e o COI expandiram recentemente o seu programa conjunto de proteção da integridade do desporto até 2021.

Patrocinadores/Parceiros Nacionais