Telma Monteiro é campeã da Europa de Judo e Medalha de Ouro dos Jogos Europeus na categoria de -57kg! A melhor judoca portuguesa de sempre esteve ao seu melhor nível hoje em Baku, onde conquistou o lugar mais alto do pódio para Portugal! A nona medalha para as cores nacionais nestes Jogos Europeus, a terceira de ouro, a que se juntam mais quatro de prata e duas de bronze. É ainda a segunda medalha feminina para Portugal na capital azeri.

No dia em que o Judo entrou em competição, Portugal voltou a ouvir a Portuguesa em Baku. Já se sabia que o Judo teria o fator extra de interesse de acumular, nesta prova, o Campeonato da Europa da modalidade com os Jogos Europeus. Por isso, os melhores judocas do Velho Continente estão em Baku. Telma Monteiro, líder do ranking mundial de -57kg, que em 10 presenças no Europeu somava outras tantas medalhas (quatro de ouro, uma de prata e cinco de bronze), não era exceção e procurava superar os resultados dos últimos dois europeus, onde conquistou o bronze.

Depois de ficar isenta na primeira ronda, Telma Monteiro entrou em prova nos oitavos-de-final, tendo pela frente a sérvia Jovana Rogic (22ª do mundo). Num combate muito equilibrado e onde Telma demonstrou alguma ansiedade, normal tendo em conta o longo afastamento por lesão em 2015, onde só tinha competido numa prova. Após duas penalizações (Shido) para cada uma das judocas, a decisão foi para ponto de ouro, onde Telma acabaria por vencer, por mais uma penalização à judoca sérvia.

Com esta vitória, Telma pareceu serenar os seus ânimos e quando voltou ao tatami, para o combate dos quartos-de-final, parecia mais segura e confiante. A judoca lusa voltou a ganhar por Shido, tendo somado apenas um contra dois da sua adversária, a holandesa Sanne Verhagen (15ª do Ranking Mundial).

Nas meias-finais, perante a mais forte das adversárias até então, a francesa Automne Pavia, com quem tinha um histórico de três derrotas e apenas uma vitória nos combates anteriores entre as duas, apareceu a melhor Telma Monteiro. A sétima do ranking mundial não resistiu ao poderio de Telma que lhe aplicou um yuko a 2.44 minutos do fim e um waza-ari a 1.29 do final, que a francesa nunca conseguiu contrariar. Estava garantida a medalha para Portugal, faltava determinar se Ouro ou Prata.

Dando continuidade ao crescendo exibicional, fruto da confiança que foi conquistando combate após combate, Telma Monteiro fez uma final de campeã frente à 11ª do mundo, a húngara Hedvig Karakas. Bastou 1 minuto e 49 segundos para a conquista do Ouro. Depois de um Waza-ari ao fim de um minuto e meio de combate, prosseguiu uma sequência de ataques implacáveis que culminaram num Ippon, menos de trinta segundos depois do Waza-ari. Numa fantástica projeção da húngara, que conseguiu virar-se antes de tocar no chão, seguiu-se uma chave de braço, que garantiu a vitória a Telma Monteiro.

Estava garantido o seu quinto título nos Europeus de Judo, depois das conquistas em -52 kg, em 2006 e 2007, e em -57 kg, a sua categoria atual, em 2009 e 2012. A judoca lusa conta ainda com uma medalha de prata e cinco de bronze, somando 11 medalhas em 11 participações.

No final, uma Telma emocionada revelou as suas emoções, depois das lágrimas que lhe correram o rosto na hora de ouvir o hino e de ver subir a bandeira portuguesa. “É uma medalha muito especial, primeiro porque são os primeiros Jogos Europeus, e depois porque ser pentacampeã europeia não podia ter acontecido em melhor momento pois aqui juntavam-se duas competições. É por isso um orgulho conseguir esta conquista para Portugal e uma benção ser a pessoa que o conseguiu. Por isso não posso esquecer todas as pessoas que trabalham comigo e os que aqui estiveram a apoiar-me”.

Vinda de uma longa paragem, Telma tinha consciência das dificuldades. “Ganhar aqui era um objetivo difícil de alcançar hoje, pois sabia que não estou na minha melhor forma. Não estava a 100% mas dei os 100% que tinha e quando uma pessoa acredita e trabalha, as coisas acontecem”.

Sobre o percurso até à vitória, Telma destacou o primeiro combate e a meia-final. “Foram esses os dois momentos mais difíceis do dia, os combates mais fortes de toda a minha competição. Mas cheguei à final respeitando a minha adversária, sabendo que a costumo vencer noutras ocasiões, sendo certo que se tinha chegado até ali, era porque tinha feito uma boa prova. Porém, nunca dou nada como garantido, vou sempre à luta para conquistar uma nova vitória e isso tem corrido bem”.

Em termos dos Jogos Europeus, foi a estreia de Telma Monteiro, logo a ganhar o Ouro, que conduz Portugal de novo ao 16º lugar do medalheiro em Baku, com 9 medalhas. O Ouro de Telma junta-se aos Ouros do Ténis de Mesa por Equipas Masculino e ao Ouro de Rui Bragança no Taekwondo. Somam-se ainda as quatro medalhas de prata (João Silva no Triatlo, Fernando Pimenta com duas – K1 1000m e K1 5000m – na Canoagem e João Costa no Tiro – Pistola de Ar Comprimido a 10m) e duas de bronze (Júlio Ferreira no Taekwondo e Ana Rente e Beatriz Martins em Trampolim Sincronizado Feminino).

 

Sergiu Oleinic ficou à beira do pódio

Em amplo destaque esteve também o judoca luso de origem moldava, Sergiu Oleinic, que esteve à beira de conquistar uma medalha em Baku, na categoria de -66kg. Oleinic venceu três combates, dois deles contra dois atletas do top-10 mundial. A abrir, o atleta luso, 27º do ranking, venceu o cipriota Andreas Krassas (258.º) por Ippon. Seguiu-se o britânico Colin Oates, 7º do mundo, num combate onde a 1.34 minutos do fim Oleinic aplicou um yuko ao seu adversário, a vantagem mínima, mas suficiente para seguir em prova.

Nos quartos-de-final, afastou o azeri Nijat Shikhalizada, nono do mundo, que tinha ainda a vantagem de competir perante o seu público. Oleinic venceu por Ippon, por imobilização, a 1.31 minutos do fim do combate. Estava assegurada a passagem às meias-finais da prova.

O judoca português viria contudo a ser derrotado pelo russo Kamal Khan-Magomedov, 14.º do ranking, por Ippon, a 3.14 do fim do combate das meias-finais. Restava a luta pelo bronze, onde Oleinic voltaria a não ser feliz. Defrontando pela primeira vez na carreira o alemão Sebastian Seidl (12.º), saiu derrotado por Waza-ari, acabando assim a prova em quinto, melhorando o sétimo lugar dos Europeus de 2014.

Ainda em prova estiveram quatro judocas lusos, com Leandra Freitas (-48kg) e Diogo César (-66kg) a serem os únicos deste quarteto que conseguiram ultrapassar a primeira ronda. A judoca madeirense (49ª do ranking) atingiu os oitavos-de-final graças à vitória na ronda inaugural sobre a romena Violeta Dumitru (50ª) por yuko (1-0). Mas na segunda ronda, frente à russa Irina Dolgova, 19.ª do ranking mundial, Leandra Freitas sofreu yuko a 28 segundos do fim e depois, com a luta a terminar, foi-lhe aplicado ippon, por imobilização, sendo eliminada.

A mesma sorte teve Diogo César que seria eliminado nos oitavos-de-final na categoria -66kg, onde competiu também Sergiu Oleinic. Diogo César, 57.º do ranking mundial, sofreu um ippon, por imobilização, a 1.05 minutos do fim ante o russo Mikhail Pulyaev, vice-campeão do mundo e segundo da hierarquia mundial. Uma derrota que surgiu depois de ter ultrapassado a ronda inaugural graças a uma vitória por ippon, a 14 segundos do final do combate contra o italiano Bruno Emanuele.

Em plano negativo esteve a judoca Joana Ramos (-52 kg) ao ser afastada na primeira ronda, frente a adversária menos cotada. Joana Ramos, 15.ª do ranking Mundial, perdeu com a kosovar Distria Krasniqi (57.ª) devido a um shido (a advertência mais fraca no judo, que não gera pontos ao adversário), uma vez que nenhuma das atletas pontuou no tempo regulamentar. No seu historial em Europeus, Joana Ramos conta com uma medalha de prata conquistada em 2011 em Istambul.

Outro judoca que foi eliminado logo na primeira ronda foi Nuno Carvalho, na categoria -60 kg. O português (43.º do Mundo) foi derrotado pelo checo Pavel Petrikov (31.º) devido às três advertências atribuídas a Nuno Carvalho, uma vez que nenhum dos dois pontuou, vendo-se eliminado da mesma forma que Joana Ramos.

 

Futebol de Praia com vitória arrancada a ferros

A Seleção Nacional de Futebol de Praia voltou a averbar uma vitória muito sofrida na Beach Arena de Baku. Depois de ontem ter ganho por 6-5 a Suíça, nos momentos finais do encontro, hoje Portugal teve de ir a prolongamento para assegurar a segunda vitória nos Jogos Europeus.

A Seleção das Quinas esteve a ganhar logo nos primeiros minutos, com golo de Belchior, que valeu a vantagem no final do primeiro período. Contudo, deixou-se surpreender no segundo, com os ucranianos a marcaram por 4 vezes, um num remate em jeito e os restantes três de livres, e a deixarem as aspirações lusas seriamente comprometidas. Rui Coimbra reduziu à beira do final do 2º período, relançando as esperanças de nova reviravolta, como havia acontecido ontem.

E a remontada chegaria mesmo. Mas apenas nos últimos cinco minutos do tempo regulamentar. De novo Belchior a faturar (o seu 5º tento em Baku) e depois Jordan Santos a fazer o 4-4 com ainda 3 minutos e alguns segundos no cronómetro.

Foi preciso levar a contenda para prolongamento. Os três minutos deste período foram suficientes para Portugal voltar a colocar-se novamente à frente do marcador, num golo Bê Martins que selou o triunfo luso.

Com este resultado, Portugal lidera isolado o Grupo A da competição de Futebol de Praia, agora com cinco pontos (a vitória no prolongamento vale 2 e não 3 pontos) podendo mesmo carimbar o passaporte para as meias-finais hoje caso a Suíça vença o Azerbaijão.

 

Gabriel Lopes quebrou com o pódio à vista

O jovem nadador luso Gabriel Lopes, que tem estado em destaque em Baku, voltou novamente a ser a figura do dia na Natação entre os atletas portugueses. Na sua primeira final nestes Jogos Europeus (já havia estado na meia-final nos 100m Costas Masculinos), nos 200m Estilos Masculinos, Gabriel Lopes liderou a prova nos primeiros 100 metros e virou aos 150m no segundo lugar, abrindo perspectivas de poder chegar ao pódio.

Porém, nos últimos cinquenta metros, acabou por quebrar o ritmo forte que tinha imposto na primeira metade da prova, vendo-se relegado para sétimo lugar da final, com o tempo de 2:03.03, abaixo do recorde nacional júnior que tinha conseguido no dia de ontem. Gabriel Lopes acabou por ficar longe do pódio, mas em relação ao 4º lugar apenas poucas décimas ficaram a separá-lo desse posto.

Também Raquel Pereira, nos 200m Bruços Femininos, competiu hoje na final, tendo terminado no 8º e último lugar, com o tempo de 2:34.99, o que não deixa de ser uma excelente prestação da jovem nadadora nesta prova, dado que não tinha uma marca que permitisse sonhar com a final da competição.

Da parte da manhã, estiveram em prova no Baku Aquatics Center, João Vital, nos 200m Costas Masculinos, que ficou a apenas um lugar do apuramento para as meias-finais com o tempo 2:05.28, o 19º melhor de todas as heats, e Maria Francisca Cabral e Ana Rita Faria, que ficaram no 42º e 43º lugares, respetivamente, longe dos lugares de apuramento, nos 200m Livres Femininos.

Artigos Relacionados

Morrer na praia
27.06.2015
Lisboa2Baku
10.04.2015
Judo
1.02.2014
Natação
1.02.2014

Patrocinadores/Parceiros Nacionais