A Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM) apresentou hoje o plano de Moedas Comemorativas 2016, dando a conhecer as temáticas, os autores, o design e a visão estratégia delineada para as moedas comemorativas a emitir ao longo do corrente ano, entre elas a moeda comemorativa da participação portuguesa nos Jogos Olímpicos Rio 2016.

Joana Vasconcelos e André Carrilho foram alguns dos artistas contemporâneos convidados para desenhar as nove moedas comemorativas deste ano, dedicadas a temáticas da cultura portuguesa e universal, exibindo a criatividade e a excelência das artes visuais nacionais.

Entre as novidades, destacam-se a série alusiva às grandes figuras do desporto nacional, que inicia com uma moeda dedicada a Eusébio, um atleta que encarnou a alma e os anseios de toda uma nação, e a série dedicada às espécies ameaçadas, como o Lince Ibérico, que procura promover valores de cidadania em prol da preservação do património natural.

A participação portuguesa nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro (2016) e o 50.º aniversário da Ponte 25 de Abril são as moedas correntes comemorativas deste ano, enquanto as moedas de coleção comemorativas são dedicadas ao Modernismo, à inauguração do Museu do Dinheiro, a D. Catarina de Bragança (série Rainhas da Europa), ao Cante Alentejano – Património Imaterial da Humanidade, a Eusébio (série Heróis do Desporto), ao Lince Ibérico (série Espécies de Animais Ameaçadas) e ao Figurado de Barcelos (série Etnografia Portuguesa).

Este ano, a INCM apresentou ainda uma novidade no que diz respeito à embalagem das moedas comemorativas: um compósito de cortiça desenhado pelo arquiteto Miguel Arruda, que alia a identidade portuguesa à sofisticação tecnológica.

De forma a envolver o público mais jovem foi também lançado um concurso, em parceria com a Câmara Municipal de Setúbal, que visa a participação de alunos dos 2º e 3º ciclos do Ensino Básico na criação de um desenho, subordinado ao tema “O Futuro”, para uma moeda comemorativa a integrar o plano de 2017.

A INCM pretende assim incentivar o gosto pela numismática e pelo colecionismo, enquanto atividade lúdica e de enriquecimento cultural, e fomentar uma relação de afetividade com o passado, projetando-o no presente e no futuro através das novas gerações.

A apresentação do plano de Moedas Comemorativas 2016 esteve a cargo de Rui Carp, presidente do conselho de administração da INCM, e de Alcides Gama, diretor Comercial e Marketing da empresa, e contou também com a intervenção de António Filipe Pimentel, diretor do Museu Nacional de Arte Antiga, subordinada ao tema «A moeda como objeto cultural e de poder».

 

MOEDAS COMEMORATIVAS 2016

 

Participação Portuguesa nos Jogos Olímpicos Rio 2016

Moeda Corrente Comemorativa

Autora: Joana Vasconcelos

 

Nasceu em Paris, em 1971. Vive e trabalha em Lisboa. Expõe regularmente desde meados da década de 1990. O reconhecimento internacional do seu trabalho aumentou com a participação na 51.ª Exposição Internacional de Arte – Biennale di Venezia, em 2005. Entre os momentos mais relevantes da sua carreira, nos últimos tempos, incluem-se o projeto Trafaria Praia, Pavilhão de Portugal na 55.ª Biennale di Venezia (2013), a individual no Palácio de Versalhes, em França (2012), a participação na coletiva The World Belongs to You, no Palazzo Grassi/François Pinault Foundation, em Veneza (2011), e a sua primeira retrospetiva, apresentada no Museu Coleção Berardo, em Lisboa (2010). O trabalho de Joana Vasconcelos encontra-se representado em várias coleções públicas e privadas.

 

A natureza do processo criativo de Joana Vasconcelos assenta na apropriação, descontextualização e subversão de objetos pré-existentes e realidades do quotidiano. Esculturas e instalações, reveladoras de um agudo sentido de escala e domínio da cor, assim como o recurso à performance e aos registos vídeo ou fotográfico, colaboram na materialização de conceitos desafiadores das rotinas programadas do quotidiano.

 

50 Anos da Ponte 25 de Abril

Moeda Corrente Comemorativa

Autor: José Aurélio

 

Nasceu em Alcobaça, em 1938, e frequentou o curso de Escultura na Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa. Além de escultor e medalhista, dedica-se também ao design e às artes gráficas. Projetou, construiu e orientou a Galeria Ogiva em Óbidos, entre 1969 e 1974. Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian (1978-1979). Realizou numerosas exposições individuais e coletivas e participou num workshop de medalhística na Universidade de Pensilvânia, EUA, como artista convidado, em 1984. Neste mesmo ano, promoveu cursos de novas tecnologias de fundição em cera perdida na Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa e na Casa da Moeda. Esteve presente na 3.ª Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian (1986) e em outras exposições na Galeria da Câmara Municipal de Almada, na Casa da Moeda e no Mosteiro de Alcobaça — 100 medalhas (1987). Participou nas exposições internacionais da FIDEM.

 

O Modernismo

Moeda de Coleção Comemorativa

Autor: Rui Vasquez

 

Nascido em Lisboa, a 3 de junho de 1962, e licenciado em Escultura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa (1994), Rui Vasquez tem vindo a conciliar as suas funções de docente do ensino secundário e superior com a organização e orientação de workshops que têm como temática a Cerâmica, a Escultura ou a Medalhística. É fundador, em parceria com outros docentes, do Centro de Estudos de Medalha Contemporânea Volte-Face. Conta com mais de uma centena de exposições individuais e coletivas, um pouco por todo o país. A presença em exposições de medalhística e em outras exposições internacionais levaram-no já a países como os Estados Unidos da América, Alemanha, Holanda, Japão, França, Espanha ou Itália.

 

 

 

 

Inauguração do Museu do Dinheiro

Moeda de Coleção Comemorativa

Autor: João Charters de Almeida

 

Nasceu em 1935 na cidade de Lisboa. Em 1962, termina com distinção o curso de Escultura na Escola Superior de Belas-Artes do Porto e é convidado para dar aulas na mesma instituição como professor assistente. Em 1972, abandona, a seu pedido, o cargo de professor efetivo da Escola Superior de Belas-Artes do Porto para se dedicar, em exclusivo, ao trabalho de ateliê.

 

Entre 1962 e 1973, executa maioritariamente trabalhos em bronze e, de 1973 a 1983, desenrola-se um período sabático em que procura novas linhas de pensamento, expressões formais e explora novos materiais. Após esse período de reflexão, dá-se o desenvolvimento de conceitos em ordem a intervenções no espaço público, nos quais são observadas novas relações de escala e de novos materiais, em que aparecem como temas fundamentais “Portas. Passagens e cidades imaginárias”. Nesta fase, que perdura até à atualidade, os materiais mais utilizados são o aço, o mármore, o granito e o betão armado.

 

Entre 1961e 1970, recebeu vários prémios em concursos públicos, nacionais e internacionais, de medalha-objeto. Por opção, não entra mais em concursos. Possui, entre outras distinções, o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique e de Chevalier de l’Ordre dês Arts et Lettres, atribuído pelo Ministro da Cultura de França, em 1988.

 

  1. Catarina de Bragança

Moeda de Coleção Comemorativa

Autor: José Viriato

 

Nascido em 1970, José Viriato é licenciado em Escultura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, tendo concluído o seu doutoramento em 2014 na mesma Faculdade. É membro fundador da Secção de Investigação e de Estudos Volte Face – Medalha Contemporânea e é professor assistente convidado da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Participou em diversas exposições coletivas de escultura e medalha. Recebeu vários prémios de medalhística.

 

Cante Alentejano

Moeda de Coleção Comemorativa

Autor: João Duarte

 

Nasceu em Lisboa, em 1952. Licenciatura em Artes Plásticas, Escultura, na Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa, em 1978. Professor Associado Agregado aposentado da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, membro efetivo da Academia Nacional de Belas‑Artes e Membro efetivo da FIDEM. Em 1998, fundou o projeto Volte Face – Medalha Contemporânea, inserido na cadeira de Medalhística da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. No campo da medalhística, editou 150 medalhas e realizou 11 moedas comemorativas. Galardoado, em 2012, pela American Numismatic Society, com o J. Sanford Saltus Award for Distinguished Achievement in the Art of the Medal. Realizou várias exposições individuais e coletivas de escultura e medalha, tanto em Portugal como no estrangeiro. Executou 51 monumentos em espaços públicos. Encontra-se representado em inúmeras coleções de arte em Portugal e no estrangeiro.

 

Eusébio

Moeda de Coleção Comemorativa

Autor: André Carrilho

 

Ilustrador, cartoonista, caricaturista, animador e designer, nascido, em Lisboa, em 1974. Conta com diversos prémios nacionais e internacionais e tem mostrado o seu trabalho em exposições coletivas e individuais no Brasil, China, República Checa, França, Portugal, Espanha e EUA.

 

Em 2002, conquistou um dos mais prestigiados prémios de ilustração do mundo, o Gold Award for Illustrator’s Portfolio, atribuído pela Society for News Design (EUA). Colabora regularmente com diversas publicações nacionais e internacionais, como as revistas Vanity Fair e The New Yorker ou o diário The New York Times. Realizou a curta-metragem de animação “Jantar em Lisboa”, com argumento e música de JP Simões. Em 2008, com o produtor e escritor João Paulo Cotrim, criou o projeto de cartoons editoriais animados chamado Spam Cartoon, com a colaboração dos ilustradores Cristina Sampaio e João Fazenda.

 

Lince Ibérico

Moeda de Coleção Comemorativa

Autor: Luís Valadares

 

Nasceu em Borba, em 1949. Em 1970, interrompe o curso de Sociologia em Évora para cumprir o serviço militar, que terminou em maio de 1974, depois de cumprida uma comissão em Moçambique. Em 1989 abandona a sua carreira profissional, na área da informática, para se dedicar exclusivamente à Escultura.

 

Devido ao gosto e conhecimento da vida animal adquiridos no Alentejo, a par da sua estada em Moçambique, que lhe permitiu conhecer a fauna africana, os animais são elementos representados com frequência no seu trabalho escultórico.

 

Até 1994, ano em que apresentou alguns dos seus primeiros bronzes, o seu trabalho foi materializado sobretudo em cerâmica (barro e grés) com policromia, num estilo realista, que mantém. A partir de 1997, passou a utilizar quase exclusivamente o bronze nas suas obras, alargando a temática das mesmas à figura humana. O seu trabalho em monumentos público tem início em 2000, quando é convidado a apresentar um projeto para um monumento ao “Agricultor Português”, num concurso promovido pela CAP.

 

Figurado de Barcelos

Moeda de Coleção Comemorativa

Autora: Baiba Šime

 

Nascida em Riga, na Letónia, em 1984, e a viver atualmente em Lisboa. Licenciada em Escultura pela Academia de Artes da Letónia (2008), trabalhou no Banco Central da Letónia entre 2006 e 2007, tendo-lhe sido atribuída uma bolsa para estudar no Instituto Poligrafico e Zecca Stato S.P.A., Sezione Zecca – Scuola dell’ Arte Della Medagila (a emissora de moedas do Estado italiano, sediada em Roma). Em 2009-2010, foi aluna de ERASMUS na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa e, em 2010-2011, realizou um estágio profissional na Imprensa Nacional-Casa da Moeda, fazendo atualmente parte dos quadros desta empresa. Conta com vários prémios internacionais no âmbito da medalhística e, no que respeita à numismática, conquistou o Prémio Especial do Júri como Designer do Futuro, pela Casa da Moeda Japonesa em 2009, com uma criação comemorativa relativa às energias renováveis. Na área da Escultura, participou em diversas exposições coletivas, tanto na Letónia como em Portugal.

 

TEXTO: INCM

Patrocinadores/Parceiros Nacionais