O quatro vezes medalhado olímpico brasileiro, Gustavo Borges, foi o orador convidado de uma palestra organizada pelo Comité Olímpico de Portugal em parceria com a Go Fit, com o tema “sem perder o fôlego – no mundo dos negócios o mesmo sucesso das piscinas”. Na plateia estiveram mais de uma dezena de atletas e ex-atletas nacionais, vários deles olímpicos e outros ainda em busca do sonho da participação no maior evento multidesportivo do mundo: Telma Monteiro, Naide Gomes, Jéssica Augusto, Marisa Barros, Joana Pratas, Filipa Cavalleri, João Neto, Marcos Chuva, Joaquim Videira, Mariana Lobato, Ricardo Pedroso, Sílvia Saiote e Célio Dias, para além da campeã olímpica e Vice-Presidente do COP, Rosa Mota.

Assistiram ainda à palestra alguns presidentes e representantes de várias Federações desportivas nacionais. Foi uma hora de uma palestra inspiradora e muito bem humorada, do medalhado olímpico brasileiro, que destacou as características necessárias para o sucesso e a excelência, que passam por uma atitude de campeão e por estar sempre preparado e presente em todos os momentos, do treino até às grandes competições.

Gustavo Borges relatou ainda alguns episódios do seu passado desportivo, com especial destaque para a sua primeira medalha de prata, marcada por um incomum erro na classificação final que o deixou por largos minutos na angústia de ter ficado fora do pódio até à retificação chegar e ser anunciado como o vencedor da medalha de prata dos 100m livres de Natação nos Jogos Olímpicos de Barcelona-92. Seria a primeira de quatro medalhas daquele que é ainda hoje uma das maiores referências da Natação do Brasil.

Quatro anos depois, em Atlanta 96, arrecadou mais duas medalhas, uma de prata, nos 200m livres, e uma de bronze, nos 100m livres. A sua última medalha aconteceu em Sidney 2000, onde voltou a subir ao pódio, na prova dos 4X100m livres, para receber a medalha de bronze com os seus companheiros de equipa. A sua despedida teve lugar em Atenas 2004, a única participação onde não alcançou uma medalha.

Formado em Economia pela Universidade de Michigan, Gustavo Borges usou a sua experiência para realizar projetos, mesmo durante o seu período de atividade nas piscinas mundiais. Entre 1999 e 2009, realizou onze edições do Troféu Gustavo Borges de Natação, incentivando a base da natação brasileira, além de usar o desporto como forma de inclusão social.

Desde 2001, desenvolve a Metodologia Gustavo Borges, em que o seu foco principal é fazer evoluir empresas parceiras e os seus alunos com o ensino contínuo da natação, oferecendo ferramentas práticas e uma estrutura organizada de trabalho. Atualmente está a trabalhar com essa metodologia na África do Sul.

Como palestrante, o medalhista olímpico usa a sua experiência para mostrar que cada um tem de saber a importância do seu sonho de vida e que responsabilidades devem tomar para isso, através dos conceitos de comprometimento e excelência. As suas palestras motivacionais aplicam-se em ambientes corporativos, baseando-se em temas que mostram o caminho e sentido para um melhor rendimento dos funcionários. “Resultado é uma consequência de varias ações: a decisão de fazer algo, planear para que seja possível a sua realização e depois, a parte que dá mais prazer na minha opinião, a execução de tudo o que foi proposto.”

 

COP assina protocolos com parceiros para promoção de emprego

No âmbito do seu programa de emprego, anunciado há algumas semanas atrás e que já deu origem à criação de postos de trabalho para atletas e ex-atletas olímpicos nas empresas Go Fit e Shamir, serão assinados esta sexta-feira, após a palestra de Gustavo Borges, os protocolos de parceria entre o COP e os parceiros atrás referidos, assim como com a Adecco. Este momento servirá ainda para anunciar publicamente os candidatos escolhidos para as vagas disponibilizadas em fevereiro último nestas duas empresas.

Patrocinadores/Parceiros Nacionais