A bicicleta é definitivamente o ícone da Missão Portuguesa aos Jogos Europeus de Baku! Foi assim que a bandeira nacional chegou à capital do Azerbaijão, depois de Jorge Cristóvão ter percorrido mais de 7000km entre Lisboa e Baku. E é de bicicleta que chegou a última medalha de Portugal na primeira edição dos Jogos Europeus.

Nuno Belchior foi o herói luso ao conseguir, num extraordinário pontapé de bicicleta, a quatro minutos e meio do final, o golo que daria a medalha de bronze a Portugal.

Tal como nos jogos anteriores, Portugal teve de sofrer muito para vencer. Dominou o marcador a maior parte do tempo e chegou a estar a vencer por 1-4, depois de golos Belchior (a 4 minutos do final do 1º período), Bruno Torres (a dez minutos do final do 2º), Jordan Santos (3 minutos antes do último descanso) e Alan Cavalcanti (um minuto depois do golo de Jordan).

A Suíça conseguiu reduzir antes do último período de descanso e relançou o jogo. Os helvéticos acreditaram e bastou minuto e meio, um pouco antes de meio do terceiro período, para darem a volta ao marcador. Três golos de uma assentada colocavam a Suíça na frente do marcador pela primeira vez.

Foi preciso um enorme coração e ânimo da turma das quinas para não desmoralizar com esta cambalhota no marcador. Nuno Belchior acabou por ser o herói ao faturar por duas vezes num minuto, com pouco mais de 4 para jogar no areal de Baku. Primeiro num livre direto e depois num fantástico movimento acrobático, um pontapé de bicicleta que fez a bola só parar no fundo das redes helvéticas.

Até final a Suíça tudo fez para pelo menos empatar, eles que tinham tido algum azar ao acertar várias vezes nos postes da baliza de Elinton, mas o marcador já não mudaria. Portugal conseguia a tão almejada medalha, que garantiu na última prova dos Jogos Europeus para o nosso país, as duas mãos cheias de medalhas.

O capitão de equipa, Madjer, revelava um sabor agridoce no final da partida. “É uma sensação fantástica ganhar esta medalha mas é também um misto de emoções, porque merecíamos mais. Fizemos história e isso é um orgulho imenso.”

Sobre o jogo, Madjer destacou a imprevisibilidade do futebol de praia. “Este desporto é mesmo assim, apesar de termos entrado fortes, a inconstância no resultado até final é habitual, mas felizmente conseguimos sair com a vitória”.

Apesar do seu vasto currículo, com títulos coletivos internacionais e prémios de Melhor Jogador do mundo acumulados, Madjer destaca esta medalha. “É um marco histórico nas nossas carreiras. São os primeiros Jogos Europeus e é um orgulho imenso levar esta medalha para Portugal e para todos os portugueses”.

Portugal fechou a sua participação com 10 medalhas conquistadas, terminando no 18º lugar do medalheiro, entre 50 países participantes:

– Ouro: João Geraldo, Marcos Freitas e Tiago Apolónia – Ténis de Mesa – Equipas Masculinas; Rui Bragança – Taekwondo;  Telma Monteiro – Judo

– Prata: João Silva – Triatlo; Fernando Pimenta (2 medalhas – K1 1000m e K1 5000m) – Canoagem; João Costa – Tiro

– Bronze: Júlio Ferreira – Taekwondo; Ana Rente e Beatriz Martins – Trampolim Sincronizado Feminino; e Futebol de Praia (Tiago Petrony, Rui Coimbra, Tiago Batalha, Bruno Torres, Jordan Santos, Alan Cavalcanti, Madjer, José Maria, Bruno Novo, Nuno Belchior, Bê Martins e Elinton Andrade).

Dez provas com direito a medalha, que representam 23 atletas medalhados entre os 100 que estiveram em Baku! Praticamente um quarto da comitiva lusa sai de Baku com uma medalha ao peito. Um feito histórico para o desporto nacional!!

 

Equipa Masculina de Judo fora da luta pelas medalhas

Portugal não conseguiu chegar à luta pelas medalhas na derradeira prova de Judo, a competição por equipas, onde Portugal participou apenas na vertente masculina.

Portugal perdeu nos quartos-de-final com a França, por 1-4. Sergiu Oleinic perdeu por Yuko contra David Larose em -66kg, Nos -73kg, Jorge Fernandes perdeu por Ippon com Florent Urani, enquanto Carlos Luz, nos -81kg, perdeu com Loic Pietri no Ponto de Ouro, por Shido (penalização), duas para o luso contra uma para o francês.

No quarto e último combate, Célio Dias teve pela frente Alexandre Iddir, na categoria de -90kg, vencendo por penalizações, 3 contra 2. Dado que Portugal não apresentou judoca para a categoria de +90kg, foi aplicada derrota direta nesta categoria de peso.

A equipa de Judo masculina lusa via-se relegada para as repescagens, onde enfrentou a Ucrânia, tendo perdido por 2-3, tendo sido determinante o facto de Portugal só ter apresentado 4 judocas na prova, em vez de cinco.

Portugal entrou a perder, Sergiu Oleinic perdeu por penalizações com Georgii Zantaraia (2-1) em -66kg e Jorge Fernandes perdeu por Ippon nos -73kg com Serhiy Derbot.

Contudo, os judocas lusos responderam em força nos combates seguintes. Carlos Luz venceu por Ippon na categoria -81kg, contra Vitalii Dudchyk, enquanto Célio Dias, em -90kg, levou a melhor sobre Quedjau Nhabali, num combate muito disputado, onde Célio conseguiu levar a melhor por Ippon, depois de já ter somado um Yuko, contra outro Yuko e um Waza-ari do ucraniano.

Tudo ficou igualado a dois, mas como Portugal não tinha judoca para apresentar na categoria +90kg, foi atribuída vitória aos ucranianos neste peso, ditando a vitória final dos do leste por 3-2.

Termina assim a participação lusa no Judo nestes Jogos Europeus, que hoje terminam em Baku, onde Telma Monteiro conquistou o Ouro e em que Sergiu Oleinic, Ana Cachola e Jorge Fonseca ficaram a uma vitória de alcançarem o Bronze.

Artigos Relacionados

Morrer na praia
27.06.2015
Lisboa2Baku
10.04.2015
Judo
1.02.2014

Patrocinadores/Parceiros Nacionais