A conferência “Investimento no Desporto”, realizada esta terça-feira no Comité Olímpico de Portugal (COP), reforçou a ideia de ser cada vez mais premente a chamada de atenção de legisladores e parceiros-chave do setor para a relevância do impacto económico e social que o investimento no desporto comporta.

Esta foi a segunda conferência de um conjunto de sete que está a ser desenvolvido no âmbito do projeto iSport, cofinanciado pelo programa Erasmus+ da União Europeia, na qual se procurou reconhecer a contribuição do desporto para a concretização dos objetivos globais da Estratégia Europa 2020, considerando a sustentabilidade, o crescimento económico e o emprego, para além dos efeitos positivos na inclusão social e na educação. Participaram o Instituto Nacional de Estatística (INE), Instituto Português da Juventude e Desporto, DESMOR – Complexo Desportivo de Rio Maior e AGAP – Portugal Activo.

Abriu os trabalhos João Paulo Almeida, diretor-geral do COP, reforçando a ideia de ser “muito importante juntar estes parceiros para avançar com uma proposta forte.”

Fernando Tenreiro, do Instituto Português da Juventude e Desporto, interveio no painel inicial a título pessoal, ao lado de Alma Papic, do Comité Olímpico da Croácia e líder do projeto, e Rita Nunes, do Departamento de Estudos e Projetos do COP, para sublinhar a “grande necessidade de investigação no desporto, em Portugal. Os estudos europeus são importantes, mas existem em Portugal problemas específicos. Há questões que se põem na Europa, mas que não se aplicam diretamente a Portugal.”

Alma Papic, do Comité Olímpico da Croácia, fez a apresentação intitulada “Acerca do projeto Investimento no Desporto”, reforçando a importância de existir uma “boa governação na formulação de políticas.” E realçou os objetivos específicos: desenvolver a investigação, as linhas de aplicação do conhecimento, o diálogo com agentes; para além de fazer recomendações aos políticos/legisladores em matéria de desporto, de modo a que o investimento no desporto possa contribuir para o crescimento económico e do emprego.

Este ciclo de conferências começou na Áustria, prosseguiu agora em Portugal, e avançará depois na Lituânia, Croácia, Reino Unido, Luxemburgo e Chipre. A 2 de junho de 2020, em Zagreb, Croácia, acontecerá a conferência europeia.

“Os políticos precisam que nós, do desporto, lhes expliquemos o que podem fazer”, disse Alma Papic.

Do SportsEconAustria, Günther Grohall, fez uma apresentação onde ficaram explicitados os contributos do desporto para a gerar mais receita, valor acrescentado, e poder de compra e emprego.

“O impacto do investimento no desporto é muito forte em toda a economia”, sublinhou”, Günther Grohall. Em Portugal, são pagos em salários ao desporto 22,5 milhões de euros.

Themis Kokolakakis, do Centro de Investigação da Indústria no Desporto, abordou os efeitos do desporto na sociedade: económicos, e ao nível da novação, inclusão, sanidade – “porque o desporto gera felicidade” -, e na aquisição de competências através do voluntariado.

O palestrante grego apresentou algumas recomendações no uso do desporto, como sejam o combate ao desemprego, sugerindo “encontrar as melhores práticas e os maus exemplos em economias similares” e “tentar identificar estados membros da União Europeia ou regiões que empregam políticas e leis similares.”

Kokolakakis explicou que a construção de infraestruturas no desporto “pode estimular outros setores”, uma vez que são “um modo de garantir que a partilha de valor acrescentado permanece na União Europeia.”

Na fase final dos trabalhos, com a intervenção dos membros do INE presentes, abordou-se a Conta Satélite do Desporto, construída em 2012.

 

 

Patrocinadores/Parceiros Nacionais